terça-feira, 20 de outubro de 2009

Vénus Reflectindo Cisnes

Dedicado à Marta


Cisnes Reflectindo Elefantes, Salvador Dali


A neve na língua solta
Desfaz o tempo.
É crepúsculo, e a água
Do teu corpo, reflecte
O chão.

Quantos cisnes voam, no teu riso.

O teu olhar cobre-se
Da simplicidade dos flocos
E a eternidade move-se
Efémera, uma figura de ti.

Quantos cisnes voam, no teu riso.

As criaturas brilhantes
Que são os dias bailantes
Levantam-se da tua noite
E brindam as asas
Que vão dar a todas as costas.

Quantos cisnes voam, no teu feliz adormecer.

Cansados, os corpos misturam-se
Com a noite, e o frio
De todos os ribeiros celestes
Na pele que vestes.

Quantos cisnes voam, no teu feliz adormecer.

6 comentários:

  1. E quantas estrelas brilham nos teus dedos quando assim escreves...

    Está belo :)

    ResponderEliminar
  2. Simplesmente belo. Adorei ler :)

    Espero que não te importes com esta invasão.

    beijo

    (twlwyth)

    ResponderEliminar
  3. twlwyth, ousa sempre.
    É uma honra ter-te por cá.

    ResponderEliminar
  4. Ora... eu acho que este poema lindíssimo me lembra qualquer coisa... Mas não pode ser, pois não? :P

    Agora a sério: a palavra é mesmo - beleza

    Dark kiss.

    ResponderEliminar
  5. De facto um poema lindíssimo. E, mais do que a sua beleza, dou conta da graciosidade inata ^^

    Beijinhos!

    ResponderEliminar