terça-feira, 13 de abril de 2010

O Triste Murmúrio dos Piolhos na Solidão da Foz


Inferno - Andre Cameron


O infernal turbilhão, vertiginoso,
leva as almas de envolta na rapina
e nunca pára o ímpeto furioso.
e ao ser lançadas do alto da ravina
as almas soltam gritos e lamentos,
ali blasfemam contra a Luz divina.

DO INFERNO-Canto V.' de Dante Alighieri


Conheci-te num bairro oculto entre os prédios cinzentos e desmantelados pelo fumo. Estava sentado à beira de um abismo que a busca pelo petróleo causou. Dormia sempre ali. Sonhara percorrer o mundo. Mas cansei-me cedo - esta cidade só por si é um labirinto de paredes iguais com histórias iguais. Costumava acender uma chama lá ao fundo e subia uma lua avermelhada. Imaginava que existia um mundo lá em baixo que se percorria caindo, sem esforço. Tu vieste com a tua mochila às costas, com pins anarquistas. Aconchegaste-te comigo e cantámos um para o outro até adormecermos. Na tarde seguida (acordámos bem depois do alvor), fiquei a ouvir relatos das tuas viagens nomádicas. Na outra manhã, fiz um pacto contigo. Eu contava-te os magníficos mundos que explorava enquanto fitava o abismo, e tu, nas tuas demandas, verificavas se existiam. A partir daí, também para ti o labirinto. Continuo a contemplar-te depois da chama ao fundo da ravina nomádica.

Horned Wolf

1 comentário:

  1. A pedido de muitas famílias, aqui está um post para o nosso Xibalba

    ResponderEliminar